Autor Tópico: Segurança Social Portuguesa  (Lida 1098 vezes)

Offline CarvalhoD

  • Newbie
  • *
  • Mensagens: 0
  • Karma: +0/-0
    • Ver Perfil
Segurança Social Portuguesa
« em: Fevereiro 11, 2010, 04:43:19 pm »
Era meio-dia, o chão estava húmido com baldes distribuídos na sala de espera as pingas caiam do tecto falso, estavam cerca de 50 pessoas à espera da sua vez (contei-as pois o tempo de espera ia ser longo), o segurança lá ia chamando o numero. O aparelho das senhas estava avariado.

As pessoas pareciam estar habituadas a este ambiente. Lá ia aparecendo mais uma pessoa que encontrava logo um conhecido, aproveitando para pôr a conversa em dia, falava do tempo, da crise e das injustiças perpetuadas pelo malfadado estado do país.

Estou a referir-me a Segurança Social de Évora para quem não conhece.

Percebi que esta era uma situação muito favorável para todos os intervenientes. Passo a explicar.

Os desempregados e reformados aproveitam para pôr as novidades em dia.

Os empregados fazem o mesmo, ainda por cima não estão a trabalhar ou seja estão de folga, logo não existe necessidade de reclamar pois é uma boa desculpa para passar um bom bocado.

Os funcionários que não estão no atendimento ao público da segurança social vêem o número de processos que dão entrada limitado nos diversos serviços devido à falta de funcionários no atendimento logo também não vão reclamar.

Ou seja quem é afinal prejudicado?

São os funcionários que estão no atendimento que são uma minoria cerca de 8 para 60.000 habitantes (poderá haver mais mas locais de atendimento que eu pessoalmente desconheço, peço desculpa por algum lapso). Estes estão sobrelotados de trabalho e são obrigados a resolver todas as situações, vivem num amontoado de papéis. Um verdadeiro acto de heroísmo à Portuguesa.

O estado Português, que contabilizando perde com está extraordinária forma de organização. Como? Se considerarmos uma media de 50 pessoas em espera ao longo das 8 horas de trabalho (que é caso normal), a uma média de 1 €/hora, perfaz a módica quantia de 84.000€ anuais que Portugal perdeu num só balcão.

Nem me atrevo a multiplicar este valor por todas as repartições da segurança social e já agora das finanças pois são casos muito idênticos.

Ouso deixar a minha sugestão. Um determinado funcionário poderia ser responsável por um determinado conjunto de pessoas identificadas e constantes de uma zona de residência, de modo a que o funcionário tenha um dossier organizado seguindo a vida dessa pessoa ou família, desta forma penso que o funcionário poderá ajudar da melhor forma antevendo até possíveis situações tal como o faz um médico de família, dando liberdade a esse funcionário a de marcar horas de atendimento personalizado, trocar de emails, faxes cartas e num gabinete próprio. Será utopia?

 

Sitemap 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 42 43 44 45 46 47 48 49